Papa reza por vítimas inocentes: crianças, idosos, cristãos perseguidos na Geórgia

Francisco tornou-se hoje o primeiro Papa a entrar numa igreja da comunidade assírio-caldeia, ao visitar, nesta sexta-feira (30/09) a comunidade presente em Tbilisi, no último compromisso de seu primeiro dia de visita à Geórgia, onde rezou pelas populações da Síria e do Iraque, no âmbito desta sua 16ª viagem apostólica internacional.

“Senhor Jesus, uni à vossa cruz os sofrimentos de tantas vítimas inocentes: as crianças, os idosos, os cristãos perseguidos; envolvei com a luz da Páscoa quem está ferido no seu íntimo: as pessoas vítimas de abusos, privadas da liberdade e da dignidade; fazei experimentar a estabilidade do vosso reino a quem vive na incerteza: os exilados, os refugiados, quem perdeu o gosto pela vida”, disse, numa oração pela paz na igreja de São Simão, onde se cantou e rezou em aramaico, a língua falada por Cristo.

O rito caldeu remonta às origens do Cristianismo e tem particular importância na Síria e no Iraque; muitos dos fiéis desta comunidade vivem na diáspora.

Francisco rezou pelas “vítimas da injustiça e da opressão”, pelos povos em guerra e “exaustos pelas bombas”.

“Senhor Jesus, estendei a sombra da vossa cruz sobre os povos em guerra: que eles aprendam o caminho da reconciliação, do diálogo e do perdão; fazei saborear a alegria da vossa ressurreição aos povos exaustos pelas bombas: levantai da devastação o Iraque e a Síria; reuni sob a vossa doce realeza os vossos filhos dispersos: sustentai os cristãos da diáspora e dai-lhes a unidade da fé e do amor.”

A comunidade caldeia sobrevive há 2 mil anos sem nunca ter tido um rei ou um império cristão no território.

Estes cristãos representam umas das mais antigas comunidades do Oriente, remontando ao Séc. II.