Irmã Franciscanas do Amparo no Capítulo das Esteiras

Aconteceu nos dias 03 a 06/08/2017, em Aparecida do Norte/SP, o Capítulo Nacional das Esteiras da  Família Franciscana. Com o tema: “Levar ao mundo a misericórdia de Deus” e o Lema: “É preciso voltar a Assis…”

Texto retirado do site: http://www.franciscanos.org.br/?p=138854

Aparecida (SP) – A manhã deste domingo, 6 de agosto, foi de Ação de Graças no Capítulo das Esteiras, que terminou ao meio-dia depois da Celebração Eucarística.

Frei Éderson Queiroz, o presidente da CFFB, passou para os capitulares a sua última mensagem, carregada de indignação pela atual situação do país e, ao mesmo tempo, animou os capitulares a não se acomodarem e a terem esperança. Ir. Cleusa Aparecida Neves, vice-presidente da CFFB, fez um resgate histórico do nascimento do Cefepal até a entidade de hoje e o Secretário Nacional da Juventude Franciscana, Washington Lima dos Santos, leu o documento final do encontro.

“É chegado o momento de recolhermos nossas esteiras e as lançarmos sobre o chão das periferias do mundo, transformando continuamente nossa maneira de Ser, Estar e Consumir em reposta aos apelos do Papa Francisco. A realidade ecológica e sócio-política-econômica do nosso país nos exige compromisso profético de denúncia e anúncio”, pede a Carta de Aparecida (veja na íntegra abaixo).

TERRA FRANCISCANA 

Frei Ederson não economizou nos agradecimentos e homenagens ao finalizar o Capítulo das Esteiras que celebrou os 800 anos do Perdão de Assis, o Jubileu de Ouro da CFFB e os 300 anos da imagem de Nossa Senhora Aparecida. “Que história bonita nós temos na nossa Conferencia. Quantos e quantos e quantas nos assessoraram nos cursos, revistas, nos retiros, nos encontros de preparação para os votos, na animação vocacional e receberam apenas a passagem de ida e volta!”, agradeceu

“A nossa história é uma história santa. Por isso, como o Senhor pediu a Moisés, ele pede a nós hoje: tire as sandálias para entrar nessa terra. A terra franciscana no Brasil é uma terra santa. Tirar as sandálias é tirar o medo, tirar a angústia de que estamos acabando. Tirar as sandálias é tirar a indiferença com tudo aquilo que diz respeito a nossa vida em fraternidade. Tirar as sandálias é dispor-se de novo num caminho juntos. Tirar as sandálias é redescobrir a nossa interdependência. Nós nos dependemos uns dos outros para viver como família franciscana do Brasil. Aliás, o franciscano, a franciscana,  precisa do outro, como nosso pulmão precisa do ar, como o peixe precisa da água. Não há vida franciscana sem o outro. O outro é o grande dom depois que o Senhor me deu irmãos”, lembrou o presidente da CFFB.

Na sua homilia, como presidente da Celebração Eucarística, Frei Ederson refletiu sobre a Transfiguração do Cristo. “Meus irmãos e minhas irmãs. Este Capítulo foi um subir ao Monte Tabor. Saímos das nossas baixadas, dos nossos vales, viemos dos campos e das cidades, até da Espanha teve gente que chegou aqui. De carro, de avião, de ônibus chegamos a Aparecida. E, certamente, quando chegamos aqui, um cansaço, não apenas da viagem, mas da viagem que estamos fazendo no tempo e na história, nos abateu: cansaço dos desencontros, cansaço diante de uma decepção que vai tomando conta da nossa Pátria, pelos desmandos, pela corrupção, pela mentira, por tudo isso de nojento e de sórdido que está acontecendo debaixo dos nossos olhos; cansaço de uma paralisia. Estamos assistindo tudo estupefatos. Perdemos a força de ir para as ruas, de gritar ‘basta’, ‘fora’, sem temer nada e ninguém. Chegamos aqui cansados com as desventuras de nossa vida pessoal, da vida de família, da vida religiosa, do convento, da fraternidade, mas viemos ao Capítulo das Esteiras”, ressaltou o frade capuchinho.

Segundo Frei Éderson, esses dias em Aparecida “a voz do Pai se fez ouvir”. “Pela boca de Frei Vitório, a voz do Pai se fez ouvir; pela boca de Frei Luiz Carlos Susin, a voz do Pai se fez ouvir; pela voz dos testemunhos, pela voz dos irmãos e irmãs do Sinfrajupe, a voz do Pai se fez ouvir. E qual a voz do Pai ouvimos neste dia?”, perguntou.